Voiced by Amazon Polly

O aprendizado constante, variado e ao longo do curso de vida traz autonomia, confiança e mantém o cérebro ativo e saudável.

No contexto atual, os costumes, processos de trabalho, modelos de produção e até relações entre as pessoas estão sendo impactados pelo ritmo de mudanças rápidas e muito dinâmicas. Para se adequar neste mundo em constante transformação, é necessário desenvolver a capacidade de aprender constantemente, até o fim da vida. 

A crença da maioria das pessoas de que a aprendizagem só é efetiva quando associada a uma educação formal tem sido questionada nos últimos anos.

De um modo geral, é verdade que a educação formal e as qualificações resultantes dessa prática são importantes e ainda valorizadas – ela pode maximizar o potencial de uma pessoa encontrar empregos melhores, oferecer estabilidade financeira e sucesso na carreira escolhida. Mas, de acordo com Ana Maria Diniz, uma das fundadoras do movimento Todos Pela Educação, educar uma pessoa desde pequena, e por apenas parte da vida dela, para que a mesma exerça uma função específica durante o resto a sua existência, não faz mais tanto sentido hoje quanto antigamente.

O conceito de lifelong learning – aprendizagem ao longo da vida, em tradução livre -, é o termo que se refere à busca “contínua, voluntária e auto-motivada” pela atualização do conhecimento, seja em âmbito profissional, acadêmico ou pessoal. Segundo a Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ), uma instituição que dissemina o conceito ao redor do mundo, a ideia é definida como “um aprendizado que é perseguido durante a vida: um aprendizado que é flexível, diverso e disponível em diferentes tempos e lugares. O lifelong learning cruza setores, promovendo aprendizado além da escola tradicional e ao longo da vida adulta”.

“O conceito de educação ao longo da vida é a chave que abre as portas do século XXI. Ele elimina a distinção tradicional entre educação formal inicial e educação permanente”, afirma Jacques Delors, no relatório “Educação: um tesouro a descobrir” , da Unesco.

Quatro pilares do Lifelong Learning:

  1. Aprender a conhecer; 
  2. Aprender a fazer;
  3. Aprender a conviver;
  4. Aprender a ser.

Manter-se estudando e aprendendo, independente da idade, traz inúmeros benefícios para a vida. Além de maior capacidade para se adaptar em contextos diversos, pessoas que cultivam o aprendizado desenvolvem habilidades importantes para se sentirem mais autônomas e felizes consigo mesmas.

Para saber mais, acesse o vídeo do professor professor e historiador Leandro Karnal sobre Mentalidade de Desenvolvimento Contínuo.