Voiced by Amazon Polly

Mais do que nunca, é preciso organizar a rotina e planejar o cotidiano para manter a saúde física e mental durante a pandemia. Confira o que você pode fazer para ganhar tempo e disposição.

Quando se pensa em rotina, muitos remetem à repetição maçante de ações cotidianas, entediantes e sem possibilidades de mudança. Realmente se for vivida assim, pode ser prejudicial. Exige compromisso de tempo e faz parte de um contexto cultural (AOTA, 2015), mas poucos sabem que existe uma forma diferente de olhar pra rotina: aquela que pode trazer satisfação e muitos benefícios, mesmo durante a pandemia. 

Pessoas mais jovens costumam jogar pedras nos compromissos e nas repetições cotidianas, sem prever o que é viver sem essa estrutura que direciona e organiza. Na verdade, o que parece pesar é o excesso de atividades obrigatórias, feitas sob pressão e em ritmo acelerado. Trata-se de uma realidade realmente desgastante, nada saudável. Situações desse tipo podem provocar o sentimento de aprisionamento ao próprio cotidiano, como se a pessoa não tivesse nas mãos as rédeas da própria vida. 

A alteração da rotina com a Covid-19

No contexto da Covid-19, o padrão de funcionamento diário virou de pernas para o ar, provando que o controle sobre nossos “destinos” é relativo. Certamente um desafio para todos, independentemente das variações de cada contexto pessoal. A sensação de não conseguir dominar os processos e chegar ao final do dia frustrado (a) tende a ser maior nesse momento, sentimento coerente com os enfrentamentos atuais. Não é possível esperar de si ou do outro o mesmo desempenho nas atividades diárias.  

Quando as peças da sua rotina se embaralham ou sofrem uma grande turbulência, como no caso da Covid-19, é preciso haver um movimento de reconstrução, reorganização e também de ressignificação das atividades, pois enquanto algumas deixarão de ser feitas, outras passarão a fazer parte da vida atual. Uma mudança profunda que para muitos envolve alterações em diversas áreas da vida, como a relação com a família e com os amigos, finanças, saúde mental e física, carreira, etc. 

Por que a rotina é importante 

Segundo Kátia Bueno (2019), é na rotina que transcorre a vida corriqueira, o comum e frequente que nos acompanha. O feijão com arroz, em que a maior parte da vida acontece. E isso não é menos importante que os momentos raros como os finais de semana, feriados, férias e festas. Viver esperando por eles é jogar a maior parcela da sua vida no lixo. Por isso, é tão importante aprender a analisar e transformar a rotina de forma que ela gere sentido, prazer e saúde. Durante a pandemia, o raciocínio é o mesmo, mas agora deve ser revisto e reaplicado sobre a realidade que se abriu. 

Um olho no peixe e o outro no gato. Tanto uma rotina esvaziada demais quanto uma cheia demais são potenciais de adoecimento. Faça a própria análise do seu perfil ocupacional e ajuste as escolhas para que elas favoreçam a longevidade com saúde e bem-estar. Afinal, isso não se define pela sua idade, nem pela pandemia. 

Os 60+ e a adaptação da rotina

Antigamente, havia uma tendência de que pessoas acima de 60 anos e/ou aposentadas começassem a se recolher progressivamente em casa, com uma rotina cada vez mais empobrecida. Felizmente, isso tem mudado de forma radical! Cada vez mais, mais pessoas maduras estão colocando as asas para fora e mostrando ao mundo que têm muito a contribuir e querem continuar participando do jogo. Quanto mais ativos e presentes eles estiverem, melhor será nossa sociedade.  Mesmo em isolamento isso pode e deve acontecer. 

Por isso, atenção 60+! Não recuse com frequência os convites para encontros e comemorações, mesmo que agora sejam virtuais. Eles são fonte de vitalidade. O ser humano é um ser ocupacional e tem uma necessidade vital de estar em ação e em contato com outras pessoas. Aproveite a parada obrigatória para adquirir novas habilidades tecnológicas e ganhar independência e autonomia nesse universo que veio pra ficar. 

Oito formas de organizar sua rotina

Tire uma fotografia da sua rotina atual: baixe o quadro no site “Vida Organizada” de Thais Godinho, anotando em cada espaço de hora, a atividade principal realizada naquele momento durante uma semana: https://bit.ly/3c9Jtnx. Após fazer isso, colora cada categoria de atividade com uma cor diferente, de acordo com a classificação da AOTA (Associação Americana de Terapia Ocupacional, 2015) descrita abaixo. Visualizar como tem sido os seus dias amplia a capacidade de movimentar as peças da sua vida de forma mais assertiva. 

  1. Atividades de vida diária (AVD): inclui todas as atividades de cuidado com o corpo (adaptado de Rogers & Holm, 1994), como banho, alimentação, vestuário e atividade sexual;
  1. Atividades instrumentais de vida prática (AIVD): são realizadas dentro de casa e na comunidade, como por exemplo limpar, cozinhar, cuidar de outras pessoas e de animais domésticos, dirigir, ir a consultas médicas, gerenciar as finanças e a casa como um todo;
  1. Descanso e sono: refere-se a atividades de relaxamento, sem envolver esforço físico, mental e social, mas inclui também o preparo para dormir e o sono em si; . 
  1. Educação: qualquer atividade que envolva o meio educacional, aprendizados formais e informais, como cursos diversos de gastronomia, arte, tecnologia, etc;
  1. Trabalho: envolve a busca de emprego, o preparo para assumi-lo, desempenho no trabalho que pode ser também voluntário e a preparação para se desligar dele, aposentar-se;
  1. Brincar: “Qualquer atividade espontânea e organizada que ofereça satisfação, entretenimento, diversão e alegria” (Parham & Fazio, 1997, p 252). Pode acontecer de diversas formas: exploratória, intencional, construtiva e simbólica;
  1. Lazer: “Atividade não obrigatória que é intrinsecamente motivada e realizada durante o tempo livre, ou seja, o tempo não comprometido com ocupações obrigatórias, tais como trabalho, autocuidado ou sono. (Parham & Fazio, 1997, p. 250);
  1. Participação social: A participação social pode ocorrer pessoalmente ou por meio de tecnologias remotas, como telefonemas, interação com o computador e videoconferência.” Envolve o contato com a comunidade, família, pares e amigos. 

Assista à websérie “O amanhã é agora”, com 8 vídeos curtos que ajudarão a aprofundar nos conhecimentos necessários para trilhar com sucesso essa maratona da construção da longevidade com qualidade: https://bit.ly/2Pm8fXN 

Por Cecília Xavier