Vida Social

Mais interação e conexões sociais para os 60+.

Direitos, conectividade e relações, cultura e lazer na vida dos 60+ para reduzir a sensação de solidão durante a pandemia.

O papel dos maduros na preservação do meio ambiente

O papel dos maduros na preservação do meio ambiente

Para construir a nossa própria longevidade e deixar um legado positivo é fundamental cuidar da longevidade do planeta em que vivemos.

As pesquisas científicas apontam que muitas mudanças ambientais estão acontecendo em função do aumento do desmatamento e outras interferências humanas na natureza. Na nossa própria experiência podemos perceber isso no dia a dia: as temperaturas estão mais extremas e as estações do ano já não são tão bem marcadas como antigamente. 

Em Belo Horizonte, por exemplo, é comum escutar pessoas mais velhas dizendo como o clima da capital mudou nos últimos anos. A cidade que era conhecida por seu clima ameno, agora apresenta épocas de chuvas muito fortes, algumas vezes acompanhadas de enchentes e destruição; e outras épocas super secas, em que a água fica mais escassa. 

Mas, o que isso tem a ver com envelhecimento? Bom, em primeiro lugar é importante reconhecer que os maduros têm em sua própria história marcas da história do mundo e carregam na memória experiências e informações sobre as mudanças ambientais que são importantes para as gerações mais novas. 

Além disso, o envelhecimento populacional junto às transformações sócio-ambientais trazem inúmeros desafios que demandam discussões e reflexões profundas sobre a forma como nos relacionamos com o meio ambiente. Dessa forma, é muito importante que as pessoas idosas participem ativamente, tanto na formulação de novas atitudes sobre as questões ambientais como na própria construção da cidadania e de melhores condições de vida na velhice. 

Já pensou em plantar uma árvore em cada aniversário seu? Ou ensinar aos seus netos sobre a importância de preservar os córregos e rios, não jogando lixo nas ruas? Esses são alguns exemplos simples de ações possíveis de se fazer! 

Grupo Meninas de Sinhá mantém canal no Youtube

Grupo Meninas de Sinhá mantém canal no Youtube

Reconhecido nacionalmente pela riqueza cultural, o grupo formado por mulheres do Alto vera Cruz, em Belo Horizonte, é parceiro da Rede Longevidade.

O canal no Youtube do Grupo Meninas de Sinhá tem feito sucesso nessa quarentena. São dezenas de vídeos com oficinas de artesanato, cantos, voz e violão, percussão e tantos outros temas. No canal, você também pode assistir a depoimentos das beneficiárias do programa e conferir algumas apresentações artísticas. 

O Grupo Meninas de Sinhá é formado por mulheres do bairro Alto Vera Cruz, bastante conhecido por sua cultura e seu compromisso social na periferia de Belo Horizonte (MG). Foi  idealizado por Dona Valdete Cordeiro, que se preocupava com a autoestima de suas vizinhas usuárias de fortes medicamentos para depressão. Assim, Meninas de Sinhá, vem do desejo de compartilhar experiências e elevar a autoestima, sendo, atualmente, referência nacional, quando o assunto é transformação social por meio da cultura. 

E a Rede Longevidade tem a honra de ser parceria do Grupo Meninas de Sinhá, por meio do projeto Inspira. Semanalmente, a equipe da Rede promove encontros, agora de forma virtual, para oferecer atividades para as mulheres do grupo. A foto desta matéria foi registrada antes da pandemia do Coronavírus e pelos sorrisos é fácil perceber como nossos momentos de troca a aprendizados fazem bem a todas. 

Confira dicas de filmes para os 60+

Confira dicas de filmes para os 60+

São vários títulos para você. Da comédia ao drama, do romântico ao existencial, basta escolher seu preferido e aproveitar.

O mundo mudou e a forma de viver e enxergar a velhice também. Se antigamente as pessoas idosas eram retratadas nos filmes com uma imagem geralmente associada à fragilidade, hoje em dia temos múltiplos exemplos que mostram a diversidade entre pessoas da mesma faixa etária. 

Assistir filmes, além de ser uma forma gostosa de se divertir e relaxar, também é uma possibilidade de abrir a cabeça e ampliar nosso olhar! É possível reconhecer nas histórias dos personagens formas variadas de ser e de se relacionar, inclusive histórias que podem ser parecidas com a sua. 

Separamos algumas dicas de filmes que trazem o tema da Longevidade. As sinopses são do site Adoro Cinema. Aproveite!

  • Viver duas vezes (2019). Viver Duas Vezes se passa em uma cidade de Valência, leste da Espanha, acompanhando um professor acadêmico aposentado e viúvo há cinco anos, chamado Emílio. Tudo estava indo bem na sua rotina de comer no mesmo bar e resolver quadrados mágicos como forma de passatempo, até que um dia ele se confundiu a ruas na volta para casa. Em seu exame médico de rotina, ele é diagnosticado com o primeiro estágio da doença de Alzheimer e, ao sair do local, acaba encontrando com Julia, sua filha abandonada, que trabalha como comercial médica. Ao perceber a doença, Julia convida Emílio para um almoço em família nada funcional. A partir dessa conversa em família, Emílio decide aproveitar seus últimos momentos de memória para reencontrar seu amor do passado;
  • Um senhor Estagiário (2015). Jules Ostin (Anne Hathaway) é a criadora de um bem-sucedido site de venda de roupas que, apesar de ter apenas 18 meses, já tem mais de duas centenas de funcionários. Ela leva uma vida bastante atarefada, devido às exigências do cargo e ao fato de gostar de manter contato com o público. Quando sua empresa inicia um projeto de contratar idosos como estagiários, em uma tentativa de colocá-los de volta à ativa, cabe a ela trabalhar com o viúvo Ben Whittaker (Robert De Niro). Aos 70 anos, Ben leva uma vida monótona e vê o estágio como uma oportunidade de se reinventar. Por mais que enfrente o inevitável choque de gerações, logo ele conquista os colegas de trabalho e se aproxima cada vez mais de Jules, que passa a vê-lo como um amigo;
  • Dois papas (2019). Buenos Aires, 2012. O cardeal argentino Jorge Bergoglio (Jonathan Pryce) está decidido a pedir sua aposentadoria, devido a divergências sobre a forma como o papa Bento XVI (Anthony Hopkins) tem conduzido a Igreja. Com a passagem já comprada para Roma, ele é surpreendido com o convite do próprio papa para visitá-lo. Ao chegar, eles iniciam uma longa conversa onde debatem não só os rumos do catolicismo, mas também afeições e peculiaridades da personalidade de cada um;
  • Minha obra prima (2018). Renzo Nervi (Luis Brandoni) já foi um pintor bem-sucedido em Buenos Aires, mas hoje não consegue vender um único quadro. Seu amigo Arturo Silva (Guillermo Francella), negociante de obras de arte, faz o possível para valorizar os quadros de Nervi, porém a personalidade arrogante do artista não ajuda nos negócios. Um dia, um acidente inesperado proporciona aos dois uma possibilidade inédita (e ilegal) de ganharem dinheiro dentro do corrupto mercado de obras de arte;
  • O Exótico Hotel Marigold (2011). Os aposentados Muriel (Maggie Smith), Douglas (Bill Nighy), Evelyn (Judi Dench), Graham (Tom Wilkinson) e mais três amigos decidem curtir a aposentadoria em lugar diferente e o destino é a Índia. Encantados com o exotismo do local e com imagens do recém restaurado Hotel Marigold, a trupe parte para lá sem pestanejar e são recebidos pelo jovem sonhador Sonny (Dev Patel). O único detalhe é que nada era muito bem como parecia ser, mas as experiências que eles irão viver mudarão para sempre o futuro de todos;
  • Antes de partir (2007). Carter Chambers (Morgan Freeman) é um homem casado, que há 46 anos trabalha como mecânico. Submetido a um tratamento experimental para combater o câncer, ele se sente mal no trabalho e com isso é internado em um hospital. Logo passa a ter como companheiro de quarto Edward Cole (Jack Nicholson), um rico empresário que é dono do próprio hospital. Edward deseja ter um quarto só para si mas, como sempre pregou que em seus hospitais todo quarto precisa ter dois leitos para que seja viável financeiramente, não pode ter seu desejo atendido pois isto afetaria a imagem de seus negócios. Edward também está com câncer e, após ser operado, descobre que tem poucos meses de vida. O mesmo acontece com Carter, que decide escrever a “lista da bota”, algo que seu professor de filosofia na faculdade passou como trabalho muitas décadas atrás. A lista consiste em desejos que Carter deseja realizar antes de morrer. Ao tomar conhecimento dela Edward propõe que eles a realizem, o que faz com que ambos viagem pelo mundo para aproveitar seus últimos meses de vida;
  • Uma lição de vida (2014). Kimani Maruge, de 84 anos, tem o sonho de aprender a ler e escrever. Durante a juventude, o queniano lutou pela independência do Quênia e nunca pôde estudar. Para conseguir uma vaga na escola primária, tem que se juntar às crianças de seis anos de idade. A história de Kimani é baseada em fatos reais.

Outras opções: 

  • Nebraska (2013);
  • Cidadão Ilustre (2016);
  • Candelária (2017);
  • Amor (2013);
  • E se vivêssemos todos juntos? (2012).
Bate-papo sobre longevidade e leitura

Bate-papo sobre longevidade e leitura

A Bienal Mineira do Livro, em parceria com a Rede Longevidade, fará hoje, 30/07, um bate-papo no Instagram entre a Diretora Executiva da Rede Longevidade, Michelle Queiroz, e a médica geriatra Dra. Karla Giacomin. O bate-papo faz parte da programação de lives e debates promovidos pela edição Bienal Mineira do Livro na Sua Casa, e pode ser visto no Instagram @bienalmineiradolivro. 

O objetivo da conversa é trazer um pouco dos desafios da Longevidade e as possibilidades da leitura como fonte de conhecimento e inspiração!

Para te inspirar a participar do evento, separamos algumas sugestões de leitura para vocês:

  • Prólogo, ato, epílogo – Fernanda Montenegro (Ed. Companhia das Letras)
  • A elegância do agora – Constanza Pascolato (Ed. Tordesilhas)
  • João de A a Z – João Carlos Martins (Ed. Sextante)
  • A Bela Velhice – Mirian Goldberg (Ed. Record)
  • Velhos são os outros – Andrea Pachá (Ed. Intrínseca)
26/7 – Dia dos Avós. Você sabe como surgiu a data?

26/7 – Dia dos Avós. Você sabe como surgiu a data?

Descubra também os benefícios da convivência entre avós e netos e celebre esse dia em família, mesmo à distância.

Você sabe a origem do Dia dos Avós? A data celebrada no Brasil e em Portugal no dia 26/07 foi criada graças à campanha de uma senhora portuguesa conhecida como Dona Aninhas, que não se conformava com a desvalorização dos avôs e avós na vida das famílias. 

Ela era avó de quatro netas e dois netos e, na década de 1980, decidiu se tornar missionária da causa dos avôs e avós, defendendo que se comemorasse a data. Dona Aninhas viajou vários países como Brasil, França, Estados Unidos, Alemanha, África do Sul, Espanha, Angola, Suíça e Canadá em prol dessa causa. A data escolhida teve um forte motivo: dia 26 de julho é quando a Igreja Católica celebra São Joaquim e Santa Ana, considerados pais de Maria, avós de Jesus.

Apesar do dia 26 de Julho não ser um consenso em todos os lugares do mundo, muitos outros países também celebram seus dias dos avós em outras datas. Na Itália, por exemplo,  é comemorado no dia 02 de Outubro e nos Estados Unidos no primeiro domingo de Setembro. 

Independente do dia exato, o Dia dos Avós é um momento oportuno para agradecer e celebrar a vida dessas pessoas tão importantes para todos nós!

Nos links abaixo você pode encontrar algumas informações interessantes sobre a data e opções de lazer para esse dia ser comemorado, mesmo à distância:

Como a Covid-19 intensifica a discriminação racial

Como a Covid-19 intensifica a discriminação racial

A pandemia atinge de forma mais cruel a população negra do Brasil. As condições econômicas e sociais e o acesso restrito à saúde intensificam o problema.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o cenário da pandemia evidenciou a discriminação racial e desigualdade social em países como Brasil e Estados Unidos. Em nota divulgada no dia 15 de maio de 2020, a organização afirma que os dados sobre mortes por Covid-19 mostram o impacto desproporcional que a doença está tendo entre a população negra, como o fato de que afro-brasileiros em São Paulo têm 62% mais chance de morrer da Covid-19 que brancos. 

Ainda de acordo com a ONU, isso acontece por diversos fatores relacionados à marginalização dessa população. Desigualdade econômica, moradias precárias, dificuldade de acesso a serviços de saúde e preconceitos podem ter influência sobre esse triste cenário. 

Para entender um pouco mais sobre o assunto e conhecer as possibilidades de construção de saídas, você pode acessar alguns materiais do nosso colaborador de conteúdo Dr. Alexandre Silva, professor, doutor em saúde pública, gerontólogo e pesquisador na área do envelhecimento e questões raciais, que vem contribuindo ativamente para a discussão do tema no cenário da pandemia.

Na primeira matéria, o especialista aborda como os negros idosos estão mais vulneráveis à Covid – 19. No vídeo, o professor contextualiza o racismo, traz exemplos de discursos e atitudes racistas muitas vezes cometidos inconscientemente e explica de que maneira a população negra é prejudicada numa situação de pandemia como a que vivemos, principalmente numa situação de envelhecimento. 

Confira outros textos em nosso blog sobre Discriminação, inclusive na dimensão etária, como o ageismo

Ao contribuir com a informação sobre esse tema tão desafiador, esperamos fomentar uma cultura de combate ao racismo, em todas as suas expressões!

Por Alexandre Silva

Direitos da pessoa idosa no contexto da pandemia

Direitos da pessoa idosa no contexto da pandemia

Saber quais são os direitos e deveres dos 60+ é fundamental para autonomia e protagonismo dessas pessoas. Conheça 10 direitos previstos no Estatuto do Idoso.

Ser cidadão significa ter direitos e deveres e compreender que somos todos iguais perante a lei. Isso não significa que não temos diferenças entre nós, afinal seres humanos são sempre diferentes uns dos outros. No entanto, quando se trata de leis e direitos, é importante essa concepção de igualdade. 

E com a pandemia do novo coronavírus, mais do que nunca, é necessário que as pessoas idosas tenham consciência do seu papel na sociedade e sejam protagonistas de suas vidas. Os 60+ são considerados grupo de risco e muita se fala sobre eles, porém, nem sempre as políticas, estudos ou constatações levaram em consideração a opinião dos próprios maduros, deixando-os como coadjuvantes em questões que dizem respeito às suas vidas.   

O que diz a Constituição

No Brasil, a Constituição Federal instituída em 1988 previu o princípio da igualdade de forma expressa em seu art. 5º: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.  

Nesse sentido, é fundamental compreender a pessoa idosa como cidadã, com direitos civis e políticos como qualquer outra pessoa habitante da cidade, do Estado e do País. 

Além de serem cidadãos, com os mesmos direitos e deveres que os demais, as pessoas idosas trazem consigo grande conhecimento e muitas experiências que precisam ser valorizadas e utilizadas em nossa sociedade. 

Quando o indivíduo toma consciência de seus direitos e também de seus deveres, ele tem a possibilidade de colocar em prática tudo isso, tornando-se uma pessoa mais empoderada e atuante na sociedade. Cidadania deve significar a concretização dos direitos humanos construídos coletivamente. Cidadão é todo aquele que participa, colabora e argumenta sobre as bases do direito, ou seja, é um agente atuante que exerce seus direitos e deveres. Ser cidadão implica em não se deixar oprimir nem subjugar, mas enfrentar o desafio para defender e exercer seus direitos.

É fundamental que todos, não apenas os 60+, saibam que devem proteger os direitos da pessoa idosa e contribuir para evitar qualquer tipo de negligência, discriminação, violência,

crueldade ou opressão. Conhecer o Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003), que tem por objetivo garantir os direitos à pessoa idosa e as necessidades comuns a essa fase da vida, é muito importante para todos.

Dez direitos previstos no Estatuto do Idoso:

1.Atendimento preferencial em órgãos públicos e privados; 

2. Gratuidade em alguns medicamentos; 

3. Reajuste dos benefícios da aposentadoria na mesma data do reajuste do salário mínimo;

4. Cursos especiais para idosos;

5. Descontos de 50% em atividades culturais, de lazer e esporte;

6. Fixação da idade mais elevada como primeiro critério de desempate em concurso público;

7. Estímulo à contratação de idosos por empresas privadas;

8. Concessão de um salário mínimo mensal para os idosos acima de 65 anos que não possuam meios para prover sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família;

9. Gratuidade nos transportes coletivos públicos; 

10. Reserva de 5% das vagas nos estacionamentos públicos e privados. 

Existem outros direitos reservados às pessoas com mais de 60 anos, basta consultar o Estatuto do Idoso. 

Por Maria da Consolação Castro

Confira as dicas de cultura e lazer do nosso blog para esse mês

Confira as dicas de cultura e lazer do nosso blog para esse mês

Ouvir música, ler, dançar ou assistir a um espetáculo virtual são interações que trazem alegria para o corpo e alma dos 60+. São muitas as possibilidades, escolha a que mais combina com você.

No contexto da Covid-19, com o desafio do isolamento social, atividades de lazer e cultura podem e devem fazer parte da rotina dos 60+. A tecnologia fortalece a possibilidade de diversas atividades que podem compor uma rotina de entretenimento, conhecimento e satisfação. 

As opções são múltiplas, tanto no campo individual, como assistir a um dos vários shows quase diários, quanto coletivamente, por meio de jogos à distância com amigos ou familiares. 

Você sabia que a música pode melhorar nossa atividade motora, memória e linguagem? Segundo Eliseth Leão, pesquisadora do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, isso é possível! Aqui no nosso blog você pode encontrar algumas playlists de música para se divertir.

O SESC-MG, parceiro da Rede Longevidade em conteúdos sobre lazer e cultura, também tem articulado várias alternativas interessantes em seu canal do Youtube que você pode conferir.  

Para quem gosta de teatro, a Pólobh, em parceria com o Instituto Unimed-BH e várias empresas, estão promovendo espetáculos encenados ao vivo do Teatro Claro Rio, e transmitidos online e gratuitamente no canal mencionado. Confira a programação de julho:

  • “E foram, quase felizes para sempre”, com Heloísa Perissé – 11/07, às 20h30;
  • “Não sou feliz, mas tenho marido”, com Zezé Polessa – 25/07, às 20h30.
Museu da Pessoa oferece ferramenta digital para registrar cotidiano na pandemia

Museu da Pessoa oferece ferramenta digital para registrar cotidiano na pandemia

O Museu da Pessoa, conhecido pela forma pioneira e colaborativa de contar histórias de vida, também se adaptou à pandemia com a criação do “Diário para o futuro”, um tipo de acervo digital com reflexões sobre a pandemia do novo coronavírus e o impacto na vida das pessoas. Pode ser um ensaio mais profundo sobre sentimentos que vieram à tona com o isolamento social, como medo e angústia ou mesmo um recorte mais banal do cotidiano, contando o que você tem feito para se divertir e se conectar com as pessoas, mesmo à distância.

Os relatos podem ser feitos em vídeo ou áudio, com duração de até dois minutos. A gravação é realizada em tempo real no próprio site do Museu da Pessoa e você ainda pode assistir a uma versão prévia, antes da publicação. Não se esqueça de citar seu nome completo e data. Para os textos, a orientação é que tenham, no mínimo, dois parágrafos.  

Imagine daqui a alguns anos você e sua família assistindo ao seu relato no “Diário para o futuro”. É uma forma de compartilhar sentimentos comuns a todos e de dividir as dores, a ansiedade e as aflições que vieram junto com a pandemia. Uma forma de personalizar a maneira como você viveu e sentiu esse período. Que tal fazer o seu registro agora?

Dicas para comemorar festa junina em casa

Dicas para comemorar festa junina em casa

As datas comemorativas são muito importantes não só pela celebração em si, mas também porque ajudam a nos orientar no tempo. 

Por exemplo: sabemos que o Carnaval está no verão, no início do ano; as festividades de São João  no outono-inverno, no meio do ano; Dia das Crianças e Dia Internacional da Pessoa Idosa em outubro, na época da primavera e Natal novamente no verão, fechando o ano. 

Tradicionalmente, as festas juninas são comemoradas nas ruas ou em locais com bastante gente, decoração colorida, fogueira e muitas comidas típicas. Mas, no contexto da pandemia em que é preciso fazer isolamento social, será que é possível fazer festa junina em casa?

Para não deixar passar em branco essa comemoração tradicional, seguem algumas dicas:

  • Preparar comidas típicas:  fazer bolo de milho, canjica, pé-de-moleque, caldos e outras comidas que você gosta e pode comer são uma boa forma de se conectar com o momento. Você pode utilizar receitas tradicionais de família, aproveitar para trocar receitas com amigos ou procurar na internet. Dá até para montar um caderno de receitas juninas para compartilhar com outras pessoas! Para quem mora sozinho, várias lojas e restaurantes estão vendendo kits juninos para entrega em casa, você pode pesquisar no Instagram e Facebook.
  • Ouvir músicas tradicionais de festas juninas: o forró e as quadrilhas podem trazer boas lembranças e diversão! Aproveite para dançar bastante e contar para outras pessoas sobre suas lembranças que remetem à essa época do ano.
  • Decorar a casa: você pode fazer bandeirinhas com jornal, revista, barbante e outros materiais para decorar sua casa e aproveitar o momento. Se morar com outras pessoas, é uma forma divertida de envolver a todos no clima da celebração.
  • Assistir e participar de festas juninas online: muitos artistas estão fazendo lives juninas, um tipo de show que é transmitido ao vivo pela internet. Elas são divulgadas nos próprios canais de comunicação desses artistas. Algumas instituições, como igrejas, escolas, centros culturais e grupo de convivência estão realizando festas juninas online, em que os participantes entram cada um da sua casa e aproveitam para conversar e se divertir. 

Não deixe de se cuidar e manter a alegria, mesmo nesses tempos difíceis! Planejar e preparar uma celebração é uma forma de manter corpo e mente ativos!